sábado, 17 de maio de 2014

todas as coisas que sentes








todas as coisas que sentes
todos os pensamentos que pensas
todos os gestos que fazes
são a tua criação
a pedir que a reconheças
nascer é entrar no mundo físico
criar é registar no mundo físico
tudo aquilo com que te sintonizas
pode descer ao mundo físico
se fixares essa energia
num papel num espaço num corpo
escrevendo, pintando, desenhando, dançando
a criatividade é isso, dar à luz
fazer chegar a este mundo
algo que já existe no céu que te recheia o peito
algo ainda noutro espaço ou noutro tempo
ou noutro plano ou noutra metáfora da consciência
as obras de arte são transferências
do mundo imaterial para o mundo material
e tocam-nos porque nos relembram a realidade do espírito
a tua harmonia é homeoestática e homeostética
tu já és todos os dias, aquilo que és
mas a tua expressão neste mundo engrandece-nos
porque te engrandece e te expande
no terreno que nos traz iguais entre iguais
todos comungamos na mesma grande mesa dos humanos
a tua expressão neste mundo engrandece-nos
quanto mais humilde mais verdadeira
e grandiosa é a tua obra a tua vida
pois nada do que é reclama
nada do que não é