domingo, 6 de dezembro de 2009

O SOL












o sol são imensas fadas de fogo

dizem coisas radiantes em cadeia luminosa

os meus ouvidos acendem pequenas peripécias

capazes de distinguir os gestos que fazem dentro do som e da luz

levantam os braços seguram lamparinas

digo: são visões por baixo do escalpe

permitem aceder a verdades puramente sensíveis

a dado momento o fogo intensifica-se

e o dia começa de novo

vulnerável como uma laranja descascada

as fadas dizem em coro, abençoam

planam sobre

as pessoas que dizem mal de si próprias dizem mal dos outros

as pessoas que dizem mal dos outros dizem mal de si próprias

movidas pela lei geral da capilaridade humana

os vasos comunicam as flores que cultivam

o jardim

é sempre o mesmo

jardineiro

as mesmas mãos de fogo o mesmo coração de fogo

o mesmo sopro de fogo a ligar as águas do mundo

por dentro do núcleo vivo da Terra: aleluia

as águas rebentam

pelo fogo meus irmãos

as fadas celebram

o nosso parto colectivo

a partir de agora somos povo

o mesmo povo de sempre coroado

pelo tempo novo



as pedras do deserto purificam os pés incandescentes

cantemos com alegria rasgada selvagem

meus irmãos e com candura

as nossas almas reclamam a nossa voz

mais pura






sábado, 5 de dezembro de 2009

padaria do povo















o pão emerge da massa humana

os meus pés pisam o chão e deixam pegadas brancas

o meu tronco é fogo posto num campo de trigo

a minha carne é feita de farinha

a minha fome é um candeeiro antigo

que acende uma evidência cor-de-rosa:

eu, sou eu próprio

é espantoso


um circuito com muitos fios por onde o amor

espalha os seus fluidos

tuneis transparentes

pequenos impulsos eléctricos carregados de ternura


mesmo assim estou só

no meio do grande armazém de pão do mundo

sou apenas uma dentada

que desperta de manhã

com o cheiro das torradas hum


quantos sorrisos desperdicei

quantas oportunidades para dizer: olha, eu amo-te

pequenas coisas

encobertas pelo pó da padaria


quando tenho a cara branca é mais fácil

ninguém reparar em mim, sou eu próprio

o meu alimento

partilhado na massa do mundo

milhares de seres esperam agora

pelo meu sorriso

mas estou esquecido


espera

lembrei-me





segunda-feira, 16 de novembro de 2009

ARAGEM














consigo sentir dentro das veias uma aragem fina um silêncio branco alastrando

enchendo adocicando os leitos que inundam as margens do rio coração

aqui duas sombras ali duas sombras e atrás da montanha

mais duas andorinhas

ou gaivotas, conforme a hora do dia

grasnam esperanças vivas

ainda envoltas nas suas frescas escamas

sento-me na rocha do planeta que sou gigante

tomo o pulso ao fio de pesca

sinto o palpitar a tremer no desejo

a tensão surpreendida por dois buracos de água

abertos no centro da galáxia pessoal



giram espirais

na massa dos sentimentos mas o silêncio pressiona como um rolo





segunda-feira, 9 de novembro de 2009

AS PESSOAS








estou como dizer profundamente interessado

na normalidade das pessoas na normalidade da vida

é uma descoberta tardia a simplicidade das coisas que existem

cada ser que se cruza comigo na rua é absolutamente excepcional

daí todos os seres serem normais daí inspirarem ternura

mesmo as crianças têm um sentido prático inultrapassável

apesar de nem sempre as saber ler

consigo comover-me comigo mesmo

quando não estou ocupado em tratar-me mal sem sequer reparar nisso

por causa de uns fusíveis que falharam na infância

são lágrimas de respeito pela minha normalidade

é de uma dignidade absurda, colossal

não almejo sequer que alguém possa entender esse lugar tão íntimo

há picos de alta montanha que é preciso visitar em solidão

há trilhos que só os meus pés reconhecem

e cheiros recém qualquer coisa que conheço de outras vidas

os sapatos obedecem aos donos, há uma certa normalidade nisso

mas é reconfortante reparar que por vezes sorriem

são capazes de orgulho e de ternura não é justo

esquecer que são inteligentes é muito seguro

seguir os sapatos nos dias em que a cabeça não confia na chuva

os hábitos têm solas rijas e tacões capazes de afugentar um cão raivoso

em caso de necessidade virgem por amor de deus acreditem

Amor e Deus é a mesma coisa

as mesmas palavras não saem do mesmo armário todos os dias

e não era agora um cão que me vinha desdizer

a raiva sim desdiz-me todos os dias

mesmo quando fica surda escondida na roupa amiga do roupeiro

a naftalina tem as suas virtudes mas é capaz de trair o seu melhor amigo

eu que sou muito senhor do meu nariz já traí e peço perdão à minha criança

que é bem mais perspicaz que eu mas foi ferida não digo de morte

mas de vida




sábado, 24 de outubro de 2009

PÉS CABEÇA









hoje de manhã pús

os pés no chão e senti

os fios da cabeça

todos trocados


um tricot de pensamentos com muitas malhas soltas

e buracos por onde facilmente passaria

uma chávena de chá muito quente

quando olhei para o tampo da mesa a sensação

já estava toda queimada


o corpo reage ao calor

os dedos fogem do fogo

e a cadeia das ideias tem imensos presos

a querer fugir dos pequenos incêndios

que reacendem a toda a hora

nos minutos em que me afasto do grande lago

central entre os mamilos




sexta-feira, 23 de outubro de 2009

MISTÉRIO



reparo nas pessoas que falam

nos cafés na rua são tão normais

nunca me tinha apercebido

que as pessoas podiam ser tão normais

não consigo explicar esta sensação óbvia

e absurda como qualquer mistério que se preze


o mistério da normalidade das pessoas


subo as escadas rolantes do centro comercial elevo-me

sinto-me vulnerável penetrado pelas outras vidas

que penduram as frases delas no ar à minha volta

a vida é tão estranha e tão familiar ao mesmo tempo

não passo disto: a vida é tão tudo ao mesmo tempo


caracóis convivem com teorias divinas automóveis

espirros jornais conversas almas telemóveis anéis

diários íntimos fezes beijos dentes segredos chapéus promessas

partos medos mentiras paixões crenças pernas braços há tantas

línguas tão diferentes em todo o mundo tantas maneiras de olhar

e sentir será que a palavra mistério será que a palavra normal existe

nos armários de todos esses países que conheço das fotografias ?


sim encontro-me ao mais baixo nível como as medusas do mar

consigo ser gelatinoso e baço consigo não ter mérito próprio posso também brilhar

apenas por ser da família apenas por ser irmão de todos esses seres que admiro

consigo num dia ou noutro sentir-me inexplicavelmente feliz

como a criança inconsciente que nunca deixei de ser a não ser

quando o medo ai quando os medos mostram os dentes não vejo nada

a não ser os dentinhos do monstro ou a pobre mas honrada cabana-catedral

da minha miséria imaginada a não ser as vestes do meu papão imaginado a força

o lado negro da força da imaginação

a trabalhar nos dias úteis

e domingos e feriados se for preciso

não digo que não




claro um banho ajuda muito

cada banho é um baptismo cada respiração

um bálsamo para a alma



há dias em que à noite

a banheira é o meu altar sagrado



quando acordo não me lembro de nada disto




quinta-feira, 22 de outubro de 2009

RINGUE








sem querer todos os dias planto uma árvore a floresta

cresce em densidade abre espaço nas minas

subterrâneas do peito posso extrair

minutos e metais preciosos, carícias

que hibernavam como grandes ursos solitários

quase gigantes mansos selvagens sonolentos amorosos

soterrados por camadas de cavernas transparentes

oh que mundos me encobrem outros mundos

de onde vêm todas estas formas de vida ?

afloram mindinhos delicados , pequenos sinos tranquilos

assomam a sua gentil cabeça ao mínimo som

vindo da flora do coração entre os mamilos


ontem aventurei mais dois passos pegadas

sensações gato das botas

na selva branca perigosamente virgem de O Amor

é como levitar por cima de um ringue de gelo

um chão de cristal onde dormem todas as nossas lágrimas

todas as nossas alegrias de humanos entregues

ao grande parto do mundo cheio de filhos folhas pequenos

insectos certezas doçuras dúvidas mãos entrelaçadas

fazendo juras em nome da grande bússola

que regula o grande elevador

sobe e desce os magnetismos cardíacos

as pistas por onde circula a tristeza e a loucura

perfurando o tempo em direcção à redenção

amorosa de O Amor


ontem aventurei mais dois pés deslizantes sem corrimão

oh capitão do meu grande lago desconhecido à beira-querida

oh grande lago mãe do mundo , quanto mais água mais espanto


esse ontem já não existe, dissolveu-se no momento

em que foi nomeado e no entanto

hoje sou um animal mais vivo mais rápido mais lento

mudo de nome todos os dias à medida de cada árvore

recém nascida


ontem hoje eu e o tempo


um funeral por cada minuto uma festa

um nascimento





quarta-feira, 21 de outubro de 2009

AUTOCOLANTES






podiam ser dois autocolantes duas dores emblema

colocadas logo abaixo dos ombros por cima de cada omoplata

como um cabide pendurado no meu próprio armário

estou a ficar vazio das minhas roupas


e não é o buraco de uma traça que me trespassa

que se passa ? são crostas

ou sílabas antigas que sinto soltas sobre as costas ?

alongo o braço espalmo a mão mas não chego lá

com os dedos e também não sinto comichão

descolam-se várias camadas de pronomes pessoais

separam-se da amálgama do mim próprio vigente

durante reinados sem fim e sem mágoa


retiro uma pétala de malmequer

bem me quer muito pouco nada

e julgo ouvir a flor

a verter um choro leve: será uma margarida ou uma frésia ?


a língua e os lábios atrevem-se e abrem o bico e eu digo

em modo corajoso assustadiço : eu sou eu que não sou eu


o eco responde para que serve um eu

uma cabeça que pensa eu uma boca que diz eu

se o corpo estiver maciço


em frente ao vácuo



? vestido de falésia





no meu peito

uma auto-estrada descarnada




sexta-feira, 16 de outubro de 2009

uma gota





todas as cadeias do mundo barras de metal

quadriculados corredores da morte cantinas cerradas

quilómetros de ordens de prisão secretárias guardas

sheriffs detectives não chegam para ilustrar

os páteos de pura ilusão

de liberdade


onde inconscientemente convivem

em modernos apartamentos conceptuais

as minhas moléculas de ADN


é por isso talvez por isso descobri agora

que as minhas cascatas se derramam ao mínimo toque

uma notícia mais lamecha um rapaz a passear o pai idoso

um homem a discutir absolutamente convencido da utilidade da sua razão

coisas supostamente más supostamente boas supostamente além

de qualquer juízo possível


nada faz sentido a não ser a grandeza de O Amor

a matemática a química a electricidade a magnética de O Amor


e basta uma gota um vestígio de gota

que se assome ao miradouro do meu crâneo

para toda a matéria corporal implodir as suas barragens

as mesmas que supostamente produzem energia


oscilo como uma pulga apaixono-me deprimo-me

canto como uma criança desafinada choro todo o meu caudal

escancaro todos os meus risos e nada faz sentido tudo É

a potência de estar vivo dentro da vida

o colosso de Ser

um espírito faz-se corpo abre um terramoto

as placas reajustam-se por entre os afectos espartilhados

todos os rios anseiam pelo som do encaixe a última peça do puzzle

nós todos humanos meninos ferreiros a fundir a fonte na foz

ouvir a voz dos rios a correr simples pela natureza das veias

a sabedoria minimal dos glóbulos e das árvores purificadas

pela ternura indestrutível da beleza

sim sou assumo

e assino a via lactea

com a minha liberdade o meu próprio sangue materno

puro branco

inadvertidamente



eterno




quinta-feira, 15 de outubro de 2009

PAI









o meu pai vulnerável

paralelo

à linha que entristece o horizonte

abre a boca cheia de palavras que não entendo

as legendas vêm numa língua estranha ôcre não sei

se os bivalves sobrevivem no deserto

o coração abraça o coração

sem mover um único músculo

um tigre nas gavetas da cabeça

fecha a razão e abre

a humildade


microscópicos serenos cristais de humidade

medram na mais banal das humildades

espreitando por entre as dunas

uma rosa de humildade concreta

amacia-me as pontas das unhas

a tempestade germina os ventos e as areias

um tigre morre um tigre nasce

à luz do mesmo golpe

o mesmo sabre


o meu filho sou eu

a olhar

o meu pai vulnerável

debita palavras molusco que desmancham

as costuras da razão

derretem chuvas abrem sulcos afluentes

sempre que há novos rios há novos cursos rasgados

no lençol que cobre a carne tenra


a vida a tremer no coração




quarta-feira, 14 de outubro de 2009

OLHOS





os meus olhos pousam beija-flor

nas pessoas que passam


não consigo compreender são corpos

que vejo são almas que sinto ?são

escapa-me algo me escapa como erva tocada

pelos dedos do orvalho


duas ou três lágrimas de espanto

regam-me os poros

escorre música nas maçãs ,adoça-me o rosto

sim o sal sublima o arco-íris e a dor

adormece nos pomares quando

os olhos abrem flor


duas ou três lágrimas de espanto

serão milagres


abrem crateras nas muralhas

delicadas que protegem


o Amor




terça-feira, 13 de outubro de 2009

O GENERAL







um pequeno vendaval irrompe

no meio da manhã


sinto muita agitação

nos interiores do corpo

por baixo da manta de pele

inúmeras fadas tentam em vão proteger-me

das farpas dos neurónios

em ataque descontrolado sob o imperial

comando de sua excelência O general O medo


seu exército vendaval não é hoje muito grande

é apenas um pequeno vendaval mas um vendaval

que se preze volta sempre

à casa materna


e se a água é mole ou a cabeça dura

é tema que não posso tratar agora enquanto

tenho as armas ainda por limpar

penduradas a tiracolo

foi tudo o quê ?


coisas de infância que afloram

disfarçadas de coisas de agora


uma princesa destituída ou não

cavalga nos ares do norte

e todas as minhas coroas de cavaleiro

da corte estremecem

quando me falta a chucha

ponho-me a combater

combater defender



o quê ?

nada


um vazio

icognoscível

irreconhecível

pelas máquinas de detectar

as mundanidades


as princesas devolvem-me à morte

dizem as fadas em surdina

ou então a mim próprio

que é a mesma coisa


no espelho mágico posso ver inúmeros reflexos

todas as minhas faltas

experimentadas À nascença


todo o meu grande General

a armar-me cavaleiro

dO medo


da morte


o mesmo repetido general

ainda que por vezes debaixo de outras capas

com menos garbo com menos estrelas

menos pergaminhos e brazões

menos impressionantes


mas nem por isso menos

eficazes


sobretudo quando atacando

em bando, como as formigas




segunda-feira, 12 de outubro de 2009

fragilidade





" nada do que se possa perceber

neste mundo iguala

o poder da tua intensa fragilidade "

e.e.cummings



sem querer liguei os fios

da fragilidade humana dentro de mim

entrei em contacto com essa rede filigrana

perturbante e bela

que atravessa o planeta mais profundo

de cada ser

à face da Terra

alguém inventou essa palavra irmãos

alguém inventou essa palavra todos

e com este circuito aceso nas veias do nosso corpo celeste

a minha própria fragilidade ascende ao rubro e eu

só me lembro de rezar uma montanha inteira

coberta em perdão tecido no avesso das encostas

somos todos irmãos meus irmãos

somos todos irmãos


aqui

nesta frase divinamente chorada em lágrimas de cristal sonoro

se encontra o ponto cardeal do coração


somos todos irmãos meus irmãos


ajoelho-me

sobre a frase

e coloco o ouvido rente ao chão :

a beleza e a tragédia fundem-se

num abraço maior que o tempo





em chegados ao silêncio do absoluto

o tudo absorve tudo


todos os conceitos sensações ruídos corpos almas ilusões


aí se revela uma única música

composta por uma única nota


inclui todas as frequências todas

as linhas vibrantes

dO Amor


As esferas fundiram-se

num ponto luminoso : o único ser

É